24 de nov de 2013

ENTREVISTA DE DOMINGO: Dom Mauro Aparecido dos Santos

O homenageado deste mês na nossa tradicional e prestigiada ENTREVISTA DE DOMINGO é o arcebispo de Cascavel Dom Mauro Aparecido dos Santos.  Durante quase 10 anos foi bispo na Diocese de Campo Mourão. 
Pessoa simples, inteligente e inovador, protetor e generoso, sincera e com prestígio, Dom Mauro deixou saudades em Campo Mourão. Ele está sempre nas orações e no coração dos seus paroquianos da Diocese de Campo Mourão. Esteve a frente na defesa das dimensões sociais e pastorais, tendo na sua administração em nossa Diocese atuado fortemente para a reforma da Casa de Encontros, transformada em Centro Diocesano de Formação “Dom Eliseu Simões Mendes”), pela criação da Capela Santa Paula Elizabete Ceriolli e do Seminário de Teologia (em Cambe), além do surgimento da Paróquia Santa Cruz e do incremento da evangelização nos meios de comunicação e atividades pastorais. 
A homenagem a Dom Mauro é publicada com uma singela entrevista, longe de ser a que deveria e que ele merece, mas é postada com muito respeito e admiração. 
É publicada neste final de semana, onde a Igreja celebra a Solenidade de Cristo Rei (24/11), que mostra Cristo defendendo os valores da justiça, da paz, do amor, da reconciliação e do serviço de amor as pessoas. E não por acaso, pela providência divina, valores que alicerçam a caminhada pastoral do arcebispo Dom Mauro.
Ótima leitura a todos, lembrando sempre, que: "Com alegria devemos dar graças ao Pai, que vos tornou capazes de participar da luz, que é a herança dos santos... CL 1, 12).” 

QUEM É MAURO APARECIDO DOS  SANTOS? Sou filho de Acácio Aparecido dos Santos e Madalena Aparecida de Moraes. Nasci em Fartura  no dia 09 de novembro de 1954. Éramos em 8 irmãos, sendo 4 homens e 4 mulheres - os outros 3 irmãos já morreram.

Nota do BLOG Fartura, conhecido como a "Pérola do Vale" está localizado na microrregião de Ourinhos, no interior de São Paulo quase na divisa com o Paraná. 
A história de Fartura é diferente, é peculiar. A cidade já nasceu com este nome, com ele ficou conhecida, desde o início da sua existência. Por volta de 1860 já existia uma propriedade denominada Fazenda do Ribeirão Fartura, por causa do curso d´água que cortava o vale, ao pé da serra que tinha a mesma denominação. Abaixo, Igreja Nossa Senhora das Dores, em Fartura. 
O nome Fartura vem da abundância de peixes que havia no ribeirão ou da grande fertilidade da terra roxa da região. Até os anos 70, o ribeirão era pródigo em peixes como cascudo, piava, bagre, lambari e mandi. "Loquear no Fartura" era buscar as locas dos cascudos, que rendiam saborosas sopas e fritadas. 
Com o passar dos tempos, Fartura ganhou várias definições. Hoje, a "Pérola do Vale" é também "um pedacinho do céu aqui na terra" ou "um lugar de gente feliz". Mas Fartura continua sendo o Eldorado sonhado pelos seus desbravadores e fundadores. Eles não fundaram apenas uma cidade, forjaram a têmpera de um povo. Um grande povo. Acredite nisso, farturense. Ninguém sabe quem batizou o ribeirão com o nome de Fartura, mas é certo que ao fazer isso traçou o destino da cidade e do seu povo. Desde então, ela cresceu com muita fartura, apesar do que dizem as más línguas e da suposta praga de um padre que teria sido expulso da cidade. Não há porque temer pragas e superstições na terra natal dos Bispos D. Gorgônio Alves da Encarnação Netto e D. Mauro Aparecido dos Santos e também sede, há dezenas de anos, da Congregação dos Padres Teatinos e da Congregação das Irmãs da Divina Vontade.
Fartura deu origem a um povo que sempre honrou este nome, embora a maioria da sua população não tenha percepção disso. Neste vale privilegiado pela natureza, com solo extremamente generoso, cercado por serras verdejantes e águas abundantes, proliferam também a amizade, a cordialidade e a hospitalidade. Muito mais que uma cidade, os desbravadores e fundadores, italianos e espanhóis em sua maioria, moldaram o perfil de um povo criativo, que demonstra muito apego à educação, cultura, artes, esportes e agricultura. Fonte: site do Município de Fartura. 

COMO O SENHOR SE DEFINE? Sou uma pessoa tímida, responsável, cumpridora das obrigações, exigente no direitos. Sou religioso e temente a Deus.
COMO FOI A SUA INFÂNCIA?  A minha infância foi linda, trabalhei muito e estudei. Também joguei muita bola. Brincava de "salva", "mãe da rua", "betes".
DESDE QUANDO EM CASCAVEL?  Desde 25 de janeiro de 2008, devido a minha transferência de Campo Mourão para Cascavel por mandato do Papa Bento XVI.
ONDE O SENHOR ESTUDOU? Estudei primário, ginasial, científico e faculdade em Jacarezinho  (PR).  Cursei a Faculdade de Ciências Biológicas em Jacarezinho, Teologia e Filosofia em Jacarezinho -
COMO SURGIU A SUA VOCAÇÃO? Desde pequeno sentia o chamado de Deus, com o apoio de minha mãe, sempre alimentei essa vocação, mas somente com 26 anos de idade tive a coragem de assumir o chamado e deixar tudo para seguir Jesus.

O QUE FEZ ANTES DE ENTRAR NA VIDA SACERDOTAL? Antes de ingressar no Seminário trabalhei no Funrural de 1972 a 1975 e fui Servidor Público Federal de 1975 a 1981.  Depois de ingressar no Seminário de março de 1982 a julho de 1998 fui professor no Seminário Menor de Jacarezinho  (PR) - foto.
CONTE UM POUCO DA SUA TRAJETÓRIA NA VIDA SACERDOTAL.  Fui ordenado padre em 13 de maio de 1984 em Jacarezinho. 
De 13/05/84 a 03/01/85 -  vigário paroquial em Arapoti (PR). De 08/03/86 a 10/01/92, pároco da Paróquia Sagrado Coração de Jesus – Jacarezinho  (PR). De 11 de janeiro de 1992 até 31 de janeiro de 1997  fui pároco da Paróquia Santa Terezinha do Menino Jesus em Bandeirantes. De 2 de fevereiro de 1995 até 31 de julho de 1998, vigário geral da Diocese de Jacarezinho. De  2 de fevereiro de 1997 até 31 de julho de 1998,  pároco da Paróquia Imaculada Conceição - Catedral de Jacarezinho. 
Fui ordenado bispo em 14 de agosto de 1998, em Jacarezinho. Minha posse como bispo coadjutor de Campo Mourão foi em 30 de agosto de 1998,  como bispo diocesano de Campo Mourão em 21 de fevereiro de 1999. 
Arcebispo de Cascavel desde 31 de outubro de 2007 com posse em 25 de janeiro de 2008.
Também nas minhas atividades fui assessor Espiritual da CADD (Comunidade de Assistência aos Dependentes de Drogas – Jacarezinho – PR), vice-reitor do Seminário Maior de Jacarezinho (PR), professor no Seminário Maior de Jacarezinho – PR,  assessor espiritual Diocesano do Movimento Cursilhos de Cristandade, chanceler do Bispado de Jacarezinho (PR) e membro do Colégio de Consultores Diocesanos.
QUAL FOI O LEMA DA SUA ORDENAÇÃO SACERDOTAL E SIGNIFICADO DO BRASÃO EPISCOPAL?  Meu Lema: "Vem e Segue-me"A cruz é o símbolo
principal do cristianismo. A estrela, figura de Nossa Senhora, Mãe de Deus e da Igreja, Rainha do Universo e guia da Nova Evangelização. A estola – vocação presbiteral que o Bispo valoriza como um dos sustentáculos da Igreja de Cristo. O cajado evoca São Mauro (Abade), cujo nome tomou no dia de seu batismo. Ao destacar, dentre outros serviços de seu Ministério, a Missão Evangelizadora, o bispo toma a Cruz e com ela, chama seu rebanho e a todos que o ouçam, para seguí-lo na caminhada, rumo à Salvação Eterna, conforme bem expressa, o enunciado do seu lema: Vem e Segue-me.
QUANDO O SENHOR ASSUMIU COMO BISPO TITULAR EM CM? Foi por ocasião do falecimento de Dom Virgílio de Pauli, eu já estava na Diocese desde 30 de agosto de 1998 atuando como bispo coadjutor e assumi como titular no dia 20 de fevereiro de 1999. 
A diocese vivia um clima de alegria e celebração do envio dos missionários para as missões populares, por ocasião dos 40 anos de criação da diocese e em preparação para o Jubileu do Ano 2000. Entre os trabalho pastoral de Dom Virgílio a história destaca a formação do clero diocesano, tendo sido ordenado  entre 1983 e 1999 um total de 23 padres diocesanos e 5 diáconos permanentes.
NOTADO BLOGAntes de Dom Mauro, estiveram à frente da diocese de Campo Mourão os bispos Dom Eliseu Simões Mendes (foto abaixo) e Dom Virgílio de Paulli (foto acima), ambos falecidos.
QUANDO SURGIU A ARQUIDIOCESE DE CASCAVEL? A Diocese de Cascavel foi criada em 05/05/1978 pela Bula Cum Toletanus do Papa Paulo VI, sendo desmembrada da Diocese de Toledo. Em 16/10/1979, pela Bula Maiori Christifidelium do Papa João Paulo II, foi elevada à Arquidiocese e Sede Metropolitana, tendo por 1º Bispo e 1º Arcebispo: Dom Armando Círio, OSJ (1979-1995); 2º Arcebispo Dom Lúcio Ignácio Baumgaertner, (27/12/1995) e agora sou o 3º Arcebispo, empossado em 25/01/2008. 

QUANTOS TÍTULOS DE CIDADANIA HONORÁRIA O SENHOR JÁ RECEBEU? Foram seis de Municípios paranaenses, os quais recebi com muita alegria. 
Sou Cidadão Honorário de Jacarezinho  (2000),  Bandeirantes (2001),  Campo Mourão  ( 2008), Três Barras do Paraná 
(2008), Diamante do Sul (2009) e Cascavel (2013).
A frase “Eu amo Campo Mourão e agora vou amar muito mais” foi proferida por Dom Mauro Aparecido dos Santos, quando recebeu o título de Cidadão Honorário de Campo Mourão.
Acima uma imagem do título em Campo Mourão e três na homenagem recebida em Cascavel.
QUAL O RECADO DO SENHOR AOS LEITORES? Sejam firmes na sua fé e persistentes na sua sua caminhada pastoral. Deus abençoe a todos.
ATUAÇÃO DE DOM MAURO – Segundo o site da Diocese de Campo Mourão, a atuação de Dom Mauro Aparecido do Santos durante os anos de 1999 a 25 de janeiro de 2008 respondeu às expectativas de preparação e celebração do Ano Jubilar de 2000, ressaltando o protagonismo dos leigos, a organização pastoral e centralização administrativa da diocese, o incentivo aos Grupos de Reflexão, pastorais e movimentos, o investimento na formação do clero (criação e instalação de seminários) e o estabelecimento de diretrizes para os sacramentos, conselhos paroquiais e diocesanos. Neste período foram ordenados 23 novos padres diocesanos e a grata satisfação de oferecer à Igreja da Bahia o bispo da diocese de Serrinha, dom Ottorino Assolari, membro da Congregação Sagrada Família de Bérgamo.

2 comentários:

  1. Nosso confrade, Ilivaldo Duarte, nos proporciona mais uma entrevista. Desta feita com o nosso 3º Bispo, Dom Mauro Aparecido dos Santos. Parabéns Ilivaldo, por este trabalho muito importante.

    Tive a honra de contar com Dom Mauro para celebrar meu casamento (Agnaldo e Ana Paula), em 18 de maio de 2002. Posteriormente ele batizou nossa primeira filha, Mariana. Estive presente na sua ordenação episcopal em Jacarezinho, na posse em Campo Mourão e também em Cascavel. Idealizamos o programa Momento de Fé, na Musical FM, que teve início no dia 8 de março de 2000, tendo ele como apresentador por 8 anos. Poderia citar outros fatos da nossa convivência, mas para o momento são estes que desejo partilhar.

    Rezo, diariamente, para que Deus conserve o estimado amigo Dom Mauro no bom pastoreio do seu rebanho!

    Prof. Agnaldo Feitoza

    ResponderExcluir
  2. Olá meu amigo Ilivaldo Duarte, Parabéns pela entrevista. Dom Mauro de grandes histórias, um dia o chamei de meu bispo e uma pessoa que estava próxima disse, seu bispo não nosso bispo. Dom Mauro perguntou para ela, que tinha 14 irmãos, você fala meu pai ou nosso pai e ela: meu pai. Então o Antonio José pode me chamar assim também! Saudades do meu bispo!

    ResponderExcluir